#2 Concept of the Month:  Cimeiras e Conferências de Alto Nível  
Serão estes formatos, a melhor maneira de reunir opostos à mesa e deixar grandes decisões “na porta do mundo”? 

Em termos gerais, as Conferências de Alto Nível e as Cimeiras juntam decisores políticos e entidades de perfil associativo ou institucional em sessões centradas na vida dos cidadãos, sendo muito comum que haja oposição nos interesses de quem participa. Contudo, nem sempre simboliza a divergência ou uma situação de discórdia entre as partes envolvidas (muito pelo contrário!). 

Quer seja sobre clima ou para decidir domínios de Estado, as aspirações máximas destes concílios são a partilha de conhecimento e opinião e a criação de uma resolução para um problema real. Uma reunião que se traduz em acordos e tratados que seguem o desejo da maioria das partes presentes. 

PARA TAL, É PRECISO CRIAR UM AMBIENTE CORRETO E “TODO OUVIDOS” À EXIGÊNCIA DA CÚPULA! 

Por si só, assuntos que convocam altas figuras de Estado representam um grande desafio logístico. Pela natureza social dos intervenientes, os cenários de segurança devem ser mais que assegurados - alias a própria sensibilidade das temáticas pede que haja um cuidado e sigilo enorme. 

Por outro lado, para responder ao rigor e garantir o sucesso na execução das tarefas pretendidas é fundamental que a entidade organizadora tenha o know-how e todas competências para desenvolver os cronogramas meticulosos e planos de trabalho necessários ao exercício das atividades. 

Não obstante, “dar ouvidos” a um evento desta estatura é sinónimo de escrutínio público…  

Por se tratar de decisões de domínio civil, é normal haver muito “borborinho” de quem esta de fora, no pós-evento. O alto mediatismo por detrás deste formato cria altas expectativas ou revoltas com as soluções tomadas – caso das atuais conversas entre a Ucrânia e Rússia 

Alguns Encontros de Alto Nível que marcaram o mundo: 
Versalhes (1919) – o renomado concelho que ditou o fim da 1ª Guerra Mundial com o Tratado de Versalhes – documento que criou cenário à subida do poder o Partido Nazista, de Adolf Hitler. 
Bruxelas (1948) – onde se estabeleceu a Organização do Tratado Atlântico Norte, a NATO – cujo objetivo é trabalhar a gestão de crise e estabelecer uma assistência militar mútua entre os membros.   
Nova Iorque(2015) – ano da importante Cimeira das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável que estabeleceu os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas concretas a atingir por todos os países do mundo, até 2030.
COP26 - reunião recorrente para reforçar a resposta mundial face à emergência e transição climática no mundo.

Saiba mais sobre o papel da Leading em: https://www.leading.pt/que-fazemos/eventos-institucionais  

Veja aqui mais notícias:

#2 Concept of the Month:  Cimeiras e Conferências de Alto Nível  
Serão estes formatos, a melhor maneira de reunir opostos à mesa e deixar grandes decisões “na porta do mundo”? 

Em termos gerais, as Conferências de Alto Nível e as Cimeiras juntam decisores políticos e entidades de perfil associativo ou institucional em sessões centradas na vida dos cidadãos, sendo muito comum que haja oposição nos interesses de quem participa. Contudo, nem sempre simboliza a divergência ou uma situação de discórdia entre as partes envolvidas (muito pelo contrário!). 

Quer seja sobre clima ou para decidir domínios de Estado, as aspirações máximas destes concílios são a partilha de conhecimento e opinião e a criação de uma resolução para um problema real. Uma reunião que se traduz em acordos e tratados que seguem o desejo da maioria das partes presentes. 

PARA TAL, É PRECISO CRIAR UM AMBIENTE CORRETO E “TODO OUVIDOS” À EXIGÊNCIA DA CÚPULA! 

Por si só, assuntos que convocam altas figuras de Estado representam um grande desafio logístico. Pela natureza social dos intervenientes, os cenários de segurança devem ser mais que assegurados - alias a própria sensibilidade das temáticas pede que haja um cuidado e sigilo enorme. 

Por outro lado, para responder ao rigor e garantir o sucesso na execução das tarefas pretendidas é fundamental que a entidade organizadora tenha o know-how e todas competências para desenvolver os cronogramas meticulosos e planos de trabalho necessários ao exercício das atividades. 

Não obstante, “dar ouvidos” a um evento desta estatura é sinónimo de escrutínio público…  

Por se tratar de decisões de domínio civil, é normal haver muito “borborinho” de quem esta de fora, no pós-evento. O alto mediatismo por detrás deste formato cria altas expectativas ou revoltas com as soluções tomadas – caso das atuais conversas entre a Ucrânia e Rússia 

Alguns Encontros de Alto Nível que marcaram o mundo: 
Versalhes (1919) – o renomado concelho que ditou o fim da 1ª Guerra Mundial com o Tratado de Versalhes – documento que criou cenário à subida do poder o Partido Nazista, de Adolf Hitler. 
Bruxelas (1948) – onde se estabeleceu a Organização do Tratado Atlântico Norte, a NATO – cujo objetivo é trabalhar a gestão de crise e estabelecer uma assistência militar mútua entre os membros.   
Nova Iorque(2015) – ano da importante Cimeira das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável que estabeleceu os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas concretas a atingir por todos os países do mundo, até 2030.
COP26 - reunião recorrente para reforçar a resposta mundial face à emergência e transição climática no mundo.

Saiba mais sobre o papel da Leading em: https://www.leading.pt/que-fazemos/eventos-institucionais  

Veja aqui mais notícias: